Roteiro de 3 ou 4 dias na Serra da Canastra

Roteiro de 3 ou 4 dias na Serra da Canastra

A Serra da Canastra é o destino perfeito para quem gosta de ecoturismo, boa comida e quer experimentar a simplicidade acolhedora do interior de Minas. É possível conhecer as principais atrações em um roteiro de 3 ou 4 dias. Mas, se puder ficar mais, a região é lindíssima e existem dezenas de cachoeiras para visitar.

Roteiro de 3 ou 4 dias na Serra da Canastra

O Parque Nacional da Serra da Canastra foi criado em 1972 para preservar as nascentes do Rio São Francisco. Ele nasce no alto da serra e despenca na Casca D’Anta, uma das cachoeiras mais bonitas do Brasil. Aliás, a beleza cênica das montanhas, as charmosas estradas de terra e as muitas trilhas formam um contexto perfeito para o turismo de aventura.

A comida feita no fogão à lenha, farta e cheirosa é uma tentação à parte. O torresmo, o tutu, a costelinha, a couve, os doces caseiros e o cafezinho… Para não falar do pão de queijo e, é claro, a goiabada (ou doce de leite) com uma fatia de queijo canastra fresco. No interior de Minas Gerais, todo almoço é um potencial banquete.

Roteiro pela Serra da Canastra

Nós ficamos por duas semanas em uma casa com vista para a serra na cidade de Vargem Bonita. Tivemos tempo de explorar atrações menos conhecidas, como praias nas margens do São Francisco e uma dúzia de cachoeiras diferentes. Mas, resumimos nesse roteiro o que a Serra da Canastra tem de melhor.

Mapa do Parque Nacional da Serra da Canastra
Mapa com as principais atrações do Parque Nacional da Serra da Canastra

Dia 01: Parte Baixa da Casca D’Anta

22 km de uma boa estrada de terra vai de Vargem Bonita até a portaria 4 do Parque Nacional da Serra da Canastra (R$10). Dali, uma trilha bem tranquila de menos de 2km leva até a base da cachoeira Casca D’Anta. Com 186 metros de queda livre, a Casca D’Anta é a maior cachoeira do rio São Francisco. E sem dúvidas é também a mais impressionante. O visual é espetacular!

Se a caminhada até a cachoeira é fácil mesmo com crianças, entrar no enorme poço já é outra história. Além de gelado, o poço é bem fundo e a pressão da cachoeira deixa a água agitada. Mas não se preocupe com isso. Ao longo da trilha, o rio São Francisco oferece remansos tranquilos para um mergulho revigorante.

Para quem estiver com mais disposição, uma opção para esse dia é fazer a trilha que vai da parte baixa até a parte alta da Casca D’Anta. São cerca de 2 horas para subir e outras 2 horas para voltar. É essencial levar o que for comer e beber.

Pare no caminho de volta para Vargem Bonita em um dos excelentes restaurantes com vistas incríveis e a mais tradicional comida mineira. Para um café e um pão de queijo com pernil, há um empório também. Aproveite para abastecer a dispensa com queijo canastra. Passe o restante da tarde em uma das outras atrações da região e o pôr do sol no Morro do Carvão.

Cachoeira Casca Danta - Serra da Canastra

Existem pelo menos 3 boas opções de atrações. Bem próximo à portaria do parque estão as piscinas naturais do Tio Zezico (R$10). Mais alguns quilômetros adiante está a cachoeira da Chinela (R$10). Com acesso fácil, costuma estar em todos os roteiros na Serra da Canastra. E por perto também estão as cachoeiras Lavra e Lavrinha (R$10). Para essa última, prepare-se para abrir e fechar sete porteiras no caminho. Mas, em geral, fica mais vazia que a Chinela e pode ser uma alternativa melhor para quem prefere sossego.

Dia 02: Parte alta do Parque Nacional

Um roteiro pela Serra da Canastra não pode deixar de fora o giro pela parte alta do parque nacional. Saia cedo para aproveitar bem o dia. E leve bastante água e comida porque não há nenhuma opção pelo caminho.

Saindo de São Roque de Minas, são 8km de subida até a entrada do parque nacional pela portaria 1 (R$10). Se não estiver em um 4×4, verifique as condições da estrada. Com chuva podem ficar bem complicadas. Dentro do parque, as paisagens são belíssimas e, andando com atenção, é possível ver tamanduás-bandeira, tatus, carcarás, corujas e dezenas de outras espécies de animais.

O belo voo do Carcará
O belo voo do Carcará

Recomendamos fazer o roteiro clássico: começar pela Nascente Histórica do Rio São Francisco (recebe esse nome porque a nascente de fato do rio é um tema controverso e disputado com outro local). Passar pelo Curral de Pedras e seguir para a parte alta da Casca D’Anta. Essa é a principal atração do dia. Aproveite os poços excelentes para nadar, curta o mirante e a bonita cachoeira que precede a queda principal.

Parte alta cachoeira Casca D'Anta - Serra da Canastra
Parte alta da cachoeira Casca D’Anta

Ainda nesse dia, é possível visitar a parte alta das cachoeiras do Alto dos Rolinhos e do Rasga Canga. Ambas com bons poços para nadar. Fizemos essas atrações com calma e quando voltamos para São Roque, os restaurantes já estavam fechados. Então, paramos para almoçar no pesque a pague Garça Branca no caminho para Vargem Bonita, que fica aberto até mais tarde. Foi uma excelente pedida!

Dia 03: Complexo do Capão-Forro e Fazendas de Queijo

O Complexo do Capão-Forro (R$20) fica em uma área particular, na estrada que dá acesso à portaria 01 do parque nacional. Está próximo a São Roque de Minas e conta com 5 cachoeiras lindas que chegamos sem maiores dificuldades levando a Bia. Da para passar o dia inteiro lá, se quiser. Para isso, mais uma vez, é preciso levar água e comida. Mas também é possível começar cedo e conciliar com um programa diferente de tarde.

Complexo Capão Forro, Serra da Canastra
Complexo Capão-Forro

Esse pedaço de Minas também é reconhecido pela produção do desejado queijo Canastra, patrimônio cultural imaterial brasileiro. É possível visitar fazendas de queijo, como a Roça da Cidade ou o Empório É Nóis na Canastra. E assim conhecer o processo artesanal de produção e degustar do melhor queijo do mundo (alerta: opinião de um mineiro).

Queijo Canastra
Canastra: o melhor queijo do mundo :-p

Tendo tempo ou não de visitar as fazendas, nem pense em voltar pra casa sem experimentar e comprar algumas peças de diferentes produtores. O queijo Canastra é um dos grandes destaques dessa viagem!

Uma alternativa para quem não curtir a ideia de visitar uma fazenda de queijo é voltar até São Roque e almoçar lá. Depois, seguir para a bonita cachoeira do Cerradão (R$25), também próxima à cidade.

Roteiro Serra da Canastra

Dia 04: Cachoeira do Fundão

Somente a Casca D’Anta na Serra da Canastra é capaz de rivalizar com a beleza da cachoeira do Fundão. E não são poucas as pessoas que a considerem ainda mais especial. Uma queda magnífica sobre um poço amplo e profundo de água cristalina. O acesso complicado a deixa bem menos frequentada e muito melhor preservada. Com um charme a mais: é possível nadar até uma gruta atrás da cachoeira e vê-la de um ângulo completamente diferente.

Roteiro Serra da Canastra - Cachoeira do Fundão
Cachoeira do Fundão

Não é fácil chegar lá e por isso acaba ficando de fora do roteiro de muita gente na Serra da Canastra. Está mais próxima da portaria 2 e a cerca de 50 km de São Roque de Minas. A estrada de terra toma tempo para ser vencida e os últimos 5 km são bem ruins, realmente só recomendados para 4×4. Há quem deixe o carro lá em cima para continuar a pé. Outra opção é fechar com uma agência para te levar.

Mesmo para quem está de 4×4, tem ainda uma trilha de cerca de 45 minutos que envolve pequenas escaladas em pedras e alguns trechos com corda e mata um pouco fechada. Não há muita sinalização, por isso é preciso ir com atenção. É um pouco complicada, mas a gente estava com a Bia no canguru e chegamos lá sem problemas. Na volta, é possível fazer um pequeno desvio para conhecer outra atração típica da Canastra, a Garagem de Pedra.

Se você tem mais dias

Em um roteiro pela Serra da Canastra, é possível ir acrescentando cachoeiras à sua programação quase que indefinidamente. Perto do acesso à parte baixa da Casca D’Anta, você pode explorar todas as opções que listamos na sugestão de roteiro para o primeiro dia. E quando o rio São Francisco está com um bom volume d’água, também é possível fazer um boia cross por ali.

Cachoeira do Fundão, Serra da Canastra

Entre São Roque de Minas e São João Batista da Canastra a lista de lindas cachoeiras é longa. Entre outras, as cachoeiras Antônio Ricardo, dos Escravos e o acesso à parte baixa do Rolinhos são destaques.

Com mais tempo ainda, dá para conhecer Capitólio, cada vez mais procurada por gente de todo Brasil. Leva 1h30 em uma boa estrada asfaltada até as principais atrações. A gente foi lá, mas não a partir de nossa base na Serra da Canastra. Mudamos para uma casa mais próxima, em Piumhi. Mas isso a gente conta no próximo post.

Roteiro Serra da Canastra - Parte Baixa Casca D'Anta

Quando ir

Segundo o site do ICMBio, que administra o parque nacional, a época ideal para visitar a Serra da Canastra é de abril a outubro, que é quando chove menos. Nessa época, em especial junho e julho, é bem mais fácil chegar nas atrações mesmo em um carro convencional (a cachoeira do Fundão continua demandando pelo menos um carro bem alto).

Os períodos chuvosos trazem o risco de trombas d’água e pioria muito as condições das estradas. Aí só de 4×4. Por outro lado, é a chance de ver as cachoeiras bem volumosas, o que pode valer o sacrifício.

Onde ficar

A Serra da Canastra ocupa uma área grande e a maior parte das estradas é de terra. Então, escolher errado onde ficar pode atrapalhar muito a sua vida. Vou dar um exemplo: se você estiver hospedado em Delfinópolis e quiser visitar a parte alta da Casca D’Anta, são 3 horas só para chegar lá. Se chover, piorou. E ainda tem que voltar, né?

Para quem irá se concentrar nas principais atrações, São Roque de Minas é a melhor opção para usar como base. Está mais próxima da parte alta da Serra da Canastra (roteiros sugeridos para os dias 2, 3 e 4). Mas, Vargem Bonita é quase tão boa quanto e está mais próxima da parte baixa da Casca D’Anta (sugestão para o dia 01). De qualquer forma, leva menos de 30 minutos para ir de uma cidade até a outra.

Ficar em Sacramento ou Delfinópolis faz sentido para quem quer explorar regiões menos conhecidas da Serra da Canastra. Também repletas de cachoeiras lindas. E tem Capitólio para quem quer conciliar a visita aos cânions com uma bate e volta à parte baixa da Casca D’Anta.

Vida na roça

Vida na roça, Vargem Bonita MG

Nós ficamos duas semanas em uma casa em Vargem Bonita. Pesou – como acontece sempre nas nossas escolhas – as opções disponíveis de hospedagem. Vargem Bonita é ainda menor e mais pacata que São Roque de Minas. Lá, encontramos um lugar simples, já fora da cidade. Com a cozinha na varada de frente pra serra, com quintal e galinhas em volta.

Mergulhamos em uma rotina mineira, de tomar café da manhã vendo os passarinhos, a Beatriz sair para cumprimentar o tio do trator e os vizinhos aparecerem no portão para um dedo de prosa.

A vida nômade permite esse luxo, poder experimentar diferentes realidades por um tempo. Mas é “nômade”, afinal. Então, seguimos em frente. Ainda nos limites da Serra da Canastra, mas em uma casa e uma atmosfera bem diferente.

View this post on Instagram

Hoje foi dia de mudança. Nos despedimos da nossa casinha na Serra da Canastra. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Foram 2 semanas vivendo uma rotina simples e deliciosa que começava na varanda, que era integrada com a cozinha e tinha uma super vista para a serra. Dividimos esses momentos com falcões, tucanos, seriemas, maritacas e outros tantos pássaros que passavam pra lá e pra cá. Aquele cafezinho e o melhor pão de queijo (claro que feito com queijo canastra.) ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Dali seguíamos o roteiro: Estrada de terra + caminhada + cachoeira + almoço no fogão a lenha. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ E de volta à nossa varanda para um dedo de prosa com os vizinhos e aquele pôr do sol na serra. Até que a invasão de besouros e outros tantos insetos dava o nosso toque de recolher. 😳😝 ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Dias passados sem pressa, curtindo o ritmo e as delícias do interior de Minas. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ #serradacanastra #canastra #riosaofrancisco #velhochico #cachoeira #nomadesdigitais #familianomade #nomadismodigital #digitalnomad #digitalnomadfamily #nomadlist #viajandocomcrianças #viajandocombebe #travellingwithkids #travellingfamily #slowtravel #mochilaoemfamilia #mochilaocombebe #backpackingwithkids #mochilandopelomundo #tresmochilaspelomundo

A post shared by três mochilas pelo mundo (@tresmochilaspelomundo) on

tresmochilaspelomundo

4 comentários em “Roteiro de 3 ou 4 dias na Serra da Canastra

  1. Maravilhosa descrição do parque da Canastra
    Eu estive em Capitolio e só visitei a parte baixa da Casca d’Anta, só estava de passagem
    Beatriz está linda
    Um abraço, continuem nos proporcionando viajar junto

    1. Obrigado, Marina! Vamos falar de Capitólio no próximo post. Lá é lindo também. A Serra da Canastra é linda e merece por si só uma visita. Mas se eu estivesse de passagem por Capitólio, também daria um jeito de ir na Casca D’Anta. Vale à pena! Abraços

  2. Texto instigante e fotos maravilhosas. Deu vontade de fazer esse roteiro, conhecer as belíssimas cachoeiras e o interior do meu estado natal. Bjs para os três mochileiros.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: