quem somos

Três Mochilas pelo Mundo

Já imaginou não ter casa? Viver viajando sem estar preso a uma cidade específica enquanto cria uma filha em diferentes lugares do mundo?

Somos o Três Mochilas pelo Mundo e essa é a nossa vida.

Em junho de 2019, deixamos para trás empregos, nossa casa no Rio de Janeiro e praticamente todas “as coisas” que a gente tinha.

Desfizemos de roupas, móveis, eletrodomésticos, bugigangas e bibelôs. Guardamos uma pequena parte dos livros, algumas roupas e poucos objetos com algum tipo de valor sentimental. Nos livramos de uma quantidade desmedida de tralha que acumulamos ao longo da vida sem perceber.

No lugar de tudo isso, hoje só temos o que pudermos levar em nossas três mochilas. Então, não é muita coisa. Gostamos de poder nos deslocar sem ajuda e sem dificuldades, com toda a nossa bagagem, enquanto levamos a Beatriz.

viver viajando - três mochilas pelo mundo

O que couber em nossa bagagem será tudo o que precisaremos para viver

Leveza

Isso nos deixa leves. Uma leveza que vai além de carregar pouco peso. Dá liberdade. Ter poucas coisas torna a vida mais prática, mais flexível. Gera menos preocupações. Ajuda a focar no que é essencial.

E o essencial para nós é curtir intensamente o crescimento de nossa filha. É viajar pelo mundo. É encontrar um meio de viver da forma que há muito tempo a gente sonhava.

Deixamos a estabilidade dos empregos onde estávamos. Repensamos nossas carreiras e o que buscávamos na vida. Hoje, trabalhamos pela Internet. Adequamos nossos hábitos e gastos para tornar essa opção possível.

Somos pais de primeira viagem e caímos na estrada antes da Beatriz completar um ano. Encaramos a responsabilidade de cuidar dela em tempo integral, longe da família e dos amigos. Transformamos nossa vida profissional sem certeza se dará certo. Fizemos isso com um frio na barriga.

O medo faz parte das decisões importante da vida.

três mochilas pelo mundo

Uma opção por aquilo que é prioritário para nós

Liberdade

Ganhamos tempo. Tempo para curtir e cuidar da nossa filha. Tempo para aprender. Para sermos pais um pouco melhores a cada dia. Ganhamos a alegria de viver o crescimento da Bia de forma bem presente.

Mais tempo também para nós mesmos. Para cuidarmos da nossa saúde, melhorarmos nossos hábitos. Para viver momentos inesquecíveis com mais frequência e intensidade. E quem sabe para buscarmos ser pessoas melhores.

E ganhamos o mundo inteiro à disposição. Passamos a contar com os 12 meses do ano para desbravar cidades, países, continentes. Sem ansiedade com a data de voltar porque estamos viajando indefinidamente. Sem pressa.

Abraço de pai e filha

Não “largamos tudo” para viajar. É uma mudança mais profunda na relação com o crescimento de nossa filha, com o trabalho e com o tempo. Uma nova perspectiva sobre o que pensamos que precisamos ter. E, principalmente, sobre como queremos preencher nossos dias.

Simplicidade

Desapegamos do que não tinha mais tanta importância e demos mais espaço para o que acreditávamos. Estamos construindo nossos caminhos, evitando os roteiros pré-definidos.

Ficou para trás o que chamávamos de segurança. Mas isso era ilusão. Empregos se perdem, estruturas se desafazem. O tempo passa.

“Viver é muito perigoso… Porque aprender a viver é que é o viver mesmo… Travessia perigosa, mas é da vida.” Guimarães Rosa


Mochilando pelo Mundo

Essa não foi a primeira vez que trocamos a estabilidade por uma vida na estrada. Em 2011, bem antes de começarmos a pensar em ter um filha, saímos para dar uma volta ao mundo.

Vendemos o que a gente tinha e deixamos os empregos para passar um ano viajando. Fomos a 27 países em cinco continentes.

Carregávamos a vida nas mochilas. Gastando muito pouco com hospedagem, alimentação, deslocamento e economizando como dava. Conhecemos os lugares de uma forma que se o orçamento fosse maior jamais teria acontecido.

E toda a simplicidade em que vivíamos viabilizava o luxo de acordar cada dia em um canto do planeta. Estivemos em todo tipo de lugar, todo tipo de cultura, vivenciando todo tipo de belezas. Foram os dias mais felizes de nossas vidas.

Voltamos pessoas diferentes. Nunca mais foi possível esquecer o sabor de viver livres pelo mundo. Continuamos viajando (e muito!), mas a gente queria ter mais tempo. Para as viagens, para a Beatriz e para nós mesmos.


Siga o blog

Receba conteúdos novos na sua caixa de entrada.


Últimas atualizações

três mochilas pelo mundo
%d blogueiros gostam disto: